Informações

Tecnologia 5G será ativada hoje em Fortaleza, Natal e Recife

Hoje 5 de maio, será o lançamento da tecnologia de telefonia móvel 5G em Fortaleza, Natal e Recife. A decisão foi tomada no di 10 de janeiro, pelo Grupo de Acompanhamento da Implementação de Soluções para Problemas de Interferência na Faixa de 3.625 a 3.700 MHz (Gaispi), que está ligado à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

De acordo com a regulamentação em vigor, as operadoras Claro, Tim e Vivo devem ter pelo menos 63 locais habilitados para 5G em Recife, 33 em Natal e 102 em Fortaleza até 28 de novembro. Além das três capitais do nordeste, as cidades de Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Florianópolis, Goiânia, João Pessoa, Palmas, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo e Vitória contam com estações 5G operacionais.

O Conselho de Diretores da Anatel já aprovou o adiamento do lançamento do 5G na faixa de 3,5 GHz, que garante as mais altas capacidades da quinta geração, para o dia 28 de outubro. Segundo o órgão, a medida era necessária para viabilizar a conclusão das ações de desocupação da faixa e mitigar eventuais interferências na recepção das estações de serviço via satélite (FSS). Apesar disso, o Gaispi poderá prever a data de ativação.

Televisão

Receptores de TV aberta que utilizam antenas parabólicas devem modificar seus equipamentos para evitar possíveis interferências nessa faixa de frequência de 3,5 GHz. Os cadastrados no Cadastro dos Programas Sociais do Governo Federal (Cadnico) que recebem sinais de TV aberta parabólica podem solicitar o kit gratuito para adaptação de equipamentos. As informações podem ser obtidas no site Siga Antenado, mantido pela Entidade Gestora da Faixa (EAF).

Quinta Geração

A mais recente geração de tecnologia de internet móvel, 5G, oferece velocidades até 20 vezes mais rápidas que 4G, com mediana de 1 Gigabit (Gbps) por segundo. Além disso, o sinal tem menos atraso (atraso) na transmissão de dados. O cliente deve ter um chip e um dispositivo que aceite conexões além de estar na área de cobertura da operadora para ter acesso à tecnologia 5G. Até o momento, a Anatel já certificou e aprovou 83 tipos diferentes de modelos de celulares para receber o sinal 5G. A lista está acessível no site da agência.

Eduvem testada e homologada em tecnologia 5G

A Equipe de desenvolvimento da Eduvem, fica no Canadá e desde Fevereiro de este ano a plataforma é aprimorada para que sua performance fique ainda melhor quando for acessada utilizando a tecnologia 5G, tando pelos Celulares, Notebooks, Tabletes e Tvs.

Como construir resiliência organizacional em uma empresa

A resiliência organizacional não é apenas se recuperar após uma crise; trata-se também de ajustar-se a ela. É ser capaz de sair mais forte dos desafios e usar o que aprendeu para planejar problemas futuros. Em tempos difíceis, as organizações e as pessoas que são fortes podem resistir melhor a qualquer tempestade e rapidamente se reerguem.

Como construir resiliência organizacional em uma empresa

Mas como você constrói resiliência, tanto em uma organização quanto em um indivíduo? Este artigo fornecerá algumas respostas, dicas e ferramentas que você pode usar para criar resiliência organizacional e garantir que seu pessoal esteja melhor preparado para lidar com o que a vida lhes der.

O que é resiliência em uma organização?

As organizações resilientes se saem bem antes, durante e depois de tempos difíceis. Eles são dirigidos por pessoas que pensam à frente, ficam de olho nos problemas e não perdem a calma quando as coisas não saem como planejado. Eles não gostam apenas de mudanças quando elas acontecem. Eles vêem isso como uma chance de aprender, crescer e se tornar mais fortes.

Pense no negócio de serviços de alimentação. Quando a pandemia nos fez ficar em casa, os restaurantes tiveram que trabalhar duro para acompanhar. Muitas empresas tiveram que fechar, mas algumas conseguiram se recuperar rapidamente. Por quê? Alguns restaurantes já permitem que você pegue sua comida ou peça para entregar. Outros mudaram rapidamente. Alguns até mudaram todo o seu modelo de negócios por causa da pandemia, como a pizzaria canadense Assembléia Geral, que iniciou um serviço de assinatura de pizza congelada.

Ali Khan Lalani, o fundador da Assembleia Geral, conseguiu aumentar seus negócios em 50 vezes quando mudou para o comércio eletrônico e o atacado. Isso o ajudou a superar o choque inicial da pandemia. Por causa disso, Lalani foi forçado a demitir dois terços de seus funcionários, de 30 para apenas 5, e fechar seu restaurante em março de 2020. Em novembro de 2021, ele tinha 70 funcionários em sua equipe.

Por causa de sua capacidade de se adaptar a mudanças rápidas, esses restaurantes conseguiram permanecer abertos e até se sair bem. Por isso a resiliência é tão importante. O COVID-19 teve efeitos rápidos e inesperados para os quais muitos grupos não estavam preparados. Ainda estamos sentindo os efeitos disso dois anos depois que começou, e provavelmente sentiremos por muito tempo.

Maior inflação de todos os tempos. Demissões. A Grande Desistir. As notícias que você lê todos os dias podem fazer sua cabeça girar, mas organizações fortes com pessoas fortes podem lidar melhor com tempos difíceis e se sair melhor do que seus concorrentes.

Como as empresas constroem e mantêm a resiliência organizacional e dos funcionários de que precisam?

Afinal, a resiliência organizacional vem da resiliência de seus funcionários. Embora outras coisas (como finanças, marca e reputação, operações, tecnologia, estratégia etc.) possam afetar a resiliência de uma organização, seu pessoal é seu melhor ativo quando as coisas dão errado.

A resiliência individual ou em grupo não é um objetivo, mas uma prática que precisa ser feita repetidamente. Pensar na resiliência como um músculo ou exercício físico pode ajudar. O exercício diário o torna mais forte, evita que você fique doente e melhora sua saúde geral.

O mesmo vale para a resiliência emocional. Quando você faz coisas que o tornam mais resiliente, você fortalece seu “músculo de resiliência”. Isso torna mais fácil para você lidar com tempos difíceis, como quando seu trabalho ou organização muda, sem ficar muito estressado.

Aqui estão algumas dicas para ajudar seus funcionários a se fortalecerem, o que ajudará sua organização a se fortalecer também.

Ajude seus funcionários a se manterem saudáveis

Estudos mostram que as pessoas que são mais felizes e têm um forte senso de propósito na vida ou níveis mais altos de autoeficácia (a confiança que uma pessoa tem em sua capacidade de terminar uma tarefa ou alcançar uma meta) parecem se recuperar de um desastre ou retrocesso mais rapidamente. Essas coisas são verdadeiras tanto no trabalho quanto na vida. Quando você está feliz no trabalho, sente que está fazendo a diferença e tem muitas habilidades e conhecimentos, é mais capaz de lidar com o estresse.

Como é fazer os funcionários felizes e ajudá-los a crescer, mantendo sua resiliência em mente? Kathleen Hogan, Chief People Officer e EVP de Recursos Humanos da Microsoft, fez dos 5Ps do Employee Fulfillment, uma estrutura simples que pode ser usada por qualquer organização.

Assim como a Hierarquia de Necessidades de Maslow, garantir que os funcionários estejam felizes começa com o atendimento de suas necessidades básicas e avança a partir daí.

Os funcionários mais felizes (e, portanto, mais resilientes):

– São bem pagos pelo trabalho que fazem (Pagar)

– Ter acesso a benefícios que tornam a vida melhor para eles (Perks)

– Sentem que pertencem e têm uma conexão com seus colegas de trabalho (Pessoas)

– Estão felizes com seu grupo e o trabalho que fazem (Orgulho/Pride)

– Encontre algo importante no que eles fazem (Propósito)

Em suma, seu pessoal será mais forte quanto mais Ps você puder dar a eles.

Tenha o mesmo objetivo

O último P na hierarquia de Hogan pode ser o mais importante quando se trata de fortalecer uma organização. O propósito comum torna as pessoas mais resilientes porque afeta o quanto elas se importam com seu trabalho, além do pagamento, benefícios ou pessoas com quem trabalham. E quando as pessoas se preocupam mais com seus empregos, é mais provável que permaneçam com eles em tempos difíceis e encontrem maneiras criativas de ajudar suas organizações.

Um relatório da Deloitte sobre resiliência organizacional diz que uma “força de trabalho orientada para o propósito” é aquela que procura oportunidades desafiadoras, se conecta com outras pessoas para aprender mais rápido e tem muita confiança em sua capacidade de aprender e mudar, o que é muito importante quando as coisas são incertas .

Veja o caso da Patagônia. Embora a Patagonia tenha fechado lojas e demitido trabalhadores quando a pandemia começou, seus negócios se recuperaram e está a caminho de faturar mais de US$ 1 bilhão em vendas este ano. Graças em grande parte à sua missão de “salvar nosso planeta natal”, que estava em vigor antes da pandemia.

A venda da Black Friday da loja de roupas ecológicas para atividades ao ar livre em novembro de 2021 rendeu um recorde de US$ 10 milhões, cinco vezes mais do que o esperado. Eles deram todo o dinheiro da venda para organizações de base que trabalham para salvar o planeta.

Rose Marcario, ex-presidente e CEO da Patagonia, disse em comunicado que o evento Black Friday atraiu clientes regulares e “milhares de pessoas que nunca haviam comprado nada da Patagonia antes”.

Mude a maneira como você faz as coisas

Toda organização tem hábitos e maneiras de fazer as coisas. O que acontece, porém, quando seus fluxos de trabalho param de funcionar? Você já fez um plano B? Você não pode saber que tipo de crise sua organização enfrentará, mas há duas coisas que você pode fazer para responder de forma mais eficaz a ambientes que mudam rapidamente:

Regras simples para ajudar as pessoas a aprender por conta própria. Durante uma interrupção de trabalho, essas regras básicas ajudarão você a decidir o que fazer e o que fazer primeiro. Por exemplo, uma regra para uma equipe de marketing pode ser que “pelo menos dois membros da equipe devem revisar todas as comunicações públicas antes de serem divulgadas”. Esta regra não nomeia pessoas específicas, então ela pode ser alterada se um membro chave da equipe estiver fora da cidade.

Improvisação. Você pode ter que lidar com um problema ou uma oportunidade imediatamente. Use exercícios de brainstorming para ajudar seu pessoal a improvisar melhor no local. Você pode, por exemplo, perguntar à sua equipe como eles lidariam com diferentes situações difíceis. O que você faria se o Zoom caísse ou um palestrante importante tivesse que cancelar no último minuto se você estivesse planejando um evento virtual? Falando sobre como você lidaria com esses “e se?” situações podem ajudar sua equipe a estar pronta para qualquer problema e resolver melhor os problemas quando eles acontecerem.

Os Melhores Dispositivos para Entrar no Metaverso

Você pode acessar o fascinante metaverso com a ajuda de dispositivos metaverso. O equipamento do metaverso é definitivamente interessante. Mas determinar quais gadgets são os mais adequados às suas necessidades nem sempre é simples. Você descobrirá em breve quais gadgets do metaverso são considerados os melhores dos melhores. E saber quais soluções atendem às suas necessidades pode ajudá-lo.

Os Melhores Dispositivos para Entrar no Metaverso

Dispositivos para o metaverso de realidade virtual

Dispositivos que usam realidade virtual (VR) para o metaverso submergem você completamente lá. Esse tipo de equipamento metaverso tira seus sentidos do mundo real e coloca uma nova realidade bem diante de seus olhos.

Oculus Quest

A Oculus, fabricante de headsets de realidade virtual que lançou uma campanha no Kickstarter em 2012, agora é propriedade da Meta (anteriormente Facebook). O Oculus Rift, o produto Oculus inicial, é considerado um dos mais importantes avanços orientados para o consumidor na tecnologia do metaverso.

Com o Oculus Quest em 2019, a linha Oculus continuou sem o Rift. Com seis graus de liberdade e o uso de câmeras ao invés de sensores externos, este modelo tinha várias características marcantes. Ele foi projetado para funcionar com dispositivos Android no início, mas uma atualização de software subsequente tornou o hardware do PC compatível para que os usuários pudessem executar aplicativos compatíveis com Oculus Rift.

O Oculus Quest 2, lançado em 2020, está atualmente recebendo muita atenção, pois a Meta se concentra no desenvolvimento de seus próprios mundos virtuais com foco na realidade virtual. O Oculus Quest 2 é um componente crucial da categoria de dispositivos metaverse, pois oferece uma alternativa excelente e com preços razoáveis ​​como ponto de partida para entrar no mundo da RV.

Valve Index

Considerado um headset de segunda geração é o Valve Index. Foi desenvolvido pela Valve depois que o Oculus Rift ajudou a estabelecer a VR doméstica. Em 2019, a Valve lançou o Index, que serviu como uma espécie de equivalente ao Oculus Quest. A Quest perdeu algum poder de processamento durante a transição para uma experiência de roaming sem fio. Na abordagem oposta, a Valve conectou o Valve Index a uma forte interface de PC.

O Valve Index é um monitor montado na cabeça que é completamente conectado. As Estações Base, que atuam como sensores externos, permitem que os usuários permaneçam ainda mais. Estes são dispersos em torno de um espaço para oferecer rastreamento preciso.

É óbvio que a Valve tinha um público diferente em mente. Para operar o Valve Index, era necessária uma interface de PC a cabo e estações externas de rastreamento, o que reduzia sua utilidade e facilidade de uso. No entanto, o Valve Index ofereceu excelente qualidade gráfica.

PlayStation VR da Sony

O VR2 combina os recursos do PlayStation 5 mais recente da Sony com sua tecnologia VR de última geração. Como resultado, os jogos de console e a realidade virtual podem coexistir sem problemas. O Sony PlayStation VR2 atravessa a linha entre os extremos fornecidos por Oculus e Valve em termos de cenários de uso. Há uma conexão de cabo para o VR2. No entanto, a conexão do PS5 é feita usando um único cabo. Em vez de usar sensores externos, as câmeras integradas do VR2 gerenciam o rastreamento preciso da localização.

Para alcançar um alto grau de imersão e capacidade de resposta, o VR2 faz uso de rastreamento ocular. Uma função sensorial que intensifica as sensações provocadas pela atividade no jogo e o áudio 3D ajudam nisso. Pense em como você se sente quando algo passa pela sua cabeça ou quando você está dirigindo rapidamente. O VR2 ajuda a simular esses sentimentos. A capacidade do áudio 3D de imergir totalmente o ouvinte promove isso.

Série HTC Vive

Desenvolvido pela HTC, os dispositivos do metaverso Vive são uma plataforma focada em VR. Ele visa principalmente os consumidores que desejam uma experiência gráfica mais vívida, bem como o Valve Index. Na verdade, a HTC e a Valve colaboraram no lançamento inicial do Vive. Isso deu ao HTC Vive uma implementação completa do SteamVR.

Com o Vive Pro, a HTC melhorou ainda mais seu sistema em 2018. O Vive Cosmos, que oferece rastreamento de movimento sem a necessidade de estações base, veio em seguida. Além disso, possui telas sofisticadas com um campo de visão de 110 graus e uma tela de 1080 x 1200 por olho.

O Vive Cosmos precisa estar conectado a PCs por meio de uma “caixa de link”. Existem conectores de alimentação, uma porta HDMI e uma porta USB 3.0, mas a HTC também oferece o Vive Flow, que é menos poderoso. Os smartphones e a engrenagem do metaverso Vive Flow trabalham juntos para oferecer aos usuários um entretenimento mais leve e uma experiência mais descontraída.

HP Reverb G2

Um dos dispositivos metaverso da família Windows Mixed Reality (WMR) é o HP Reverb G2. Esta é a frase guarda-chuva sob a qual a Microsoft fixou todos os seus sonhos de computação holográfica. A família WMR também inclui a linha HoloLens.

O Reverb G2 normalmente precisa de equipamentos que sejam bastante poderosos e se conectem a um PC. Para reduzir os requisitos de hardware, o G2 oferece um modo especial de “meia resolução”. No entanto, o G2 pode oferecer uma experiência excepcional ao operar em plena capacidade. Para uma experiência de usuário fluida, ele possui alguns dos recursos visuais mais bonitos e uma alta taxa de atualização.

Apesar dos recursos do dispositivo e da tecnologia poderosa, seu peso é surpreendentemente baixo. Para exibições gráficas, o G2 está na extremidade superior. No entanto, pesa muito menos que o Index ou o Vive Cosmos. Isso pode melhorar a sensação geral de imersão do usuário.

Dispositivos do Metaverso e o Metaverso do Facebook

Claro, um dos interesses comerciais mais importantes no metaverso é o Facebook, atualmente conhecido como Meta. No que diz respeito tanto ao hardware do metaverso quanto ao software do metaverso, eles já têm uma presença significativa. O negócio tem uma estratégia sólida para integrar o mundo digital na vida das pessoas além de seus equipamentos metaversos. Eles se tornaram um dos negócios mais significativos envolvidos no crescimento do metaverso, combinando uma plataforma pré-existente com o Facebook e uma forte base de hardware.

Elementos importantes dos dispositivos do Metaverso incluem marcas do Metaverso

A maioria dos melhores gadgets do metaverso são produzidos por empresas respeitáveis. Descobrir que o próprio metaverso abriga várias empresas conhecidas não deve ser chocante. Mas essas coisas vão muito além da tecnologia do metaverso que vimos até agora. O metaverso tem de tudo, de roupas a equipamentos esportivos.

À medida que essas tecnologias se desenvolvem, a fusão de bens do metaverso e do mundo real só aumentará. Isso definitivamente traz todo o poder do metaverso.

Dispositivos Web 3.0 e Metaverso, em uma encruzilhada

Dispositivos que operam no metaverso frequentemente oferecem funcionalidade paralela. Uma das novas tecnologias mais significativas atualmente em desenvolvimento é a Web 3.0, por exemplo. Muitos elementos do metaverso também estão incluídos nas várias implementações da Web 3.0. E certamente, muitos equipamentos do metaverso podem ser usados ​​com a Web 3.0. A fusão de duas tecnologias aparentemente não relacionadas abre um mundo de possibilidades incríveis.

Metaverso do Facebook – Uma Visão Geral com Definições e Polêmicas

Trabalhar com uma das tecnologias mais avançadas é uma das maiores e mais poderosas empresas. Um dos assuntos mais importantes do mundo atualmente é o metaverso do Facebook. Daqui a pouco, você vai testemunhar como o Facebook está criando o metaverso. Isso incluirá desenvolvimentos atuais, objetivos futuros e algumas das críticas mais importantes à estratégia do Facebook.

Metaverso do Facebook - Uma Visão Geral

Uma visão geral do metaverso

Em essência, o metaverso é a telepresença em um cenário virtual. Isso finalmente significa que, ao fazer login no metaverso, os indivíduos podem experimentar a sensação de estar em outro lugar. Os fones de ouvido de realidade virtual frequentemente vêm à mente ao discutir o metaverso. No entanto, é acessível através de desktops, consoles de jogos e smartphones também.

O metaverso ainda está sendo criado, aprimorado e testado. Empresas como o Facebook, que produzem aplicativos como um metaverso do Facebook, contribuem para algum desenvolvimento.

Metaverso do Facebook: o que é?

Comparado com a maioria de seus rivais, o Facebook Metaverse oferece uma interpretação ligeiramente diferente da ideia. Segundo Mark Zuckerberg, a internet móvel será substituída pelo metaverso. Ele acha que o metaverso tornará a atividade da Internet menos passiva para os usuários.

Zuckerberg acredita fundamentalmente que as novas tecnologias conectarão as pessoas por meio da experiência online do futuro.

No metaverso do Facebook, acessar a internet implica entrar em uma outra realidade. Será um local onde os indivíduos poderão realizar reuniões de negócios e depois dirigir-se imediatamente para as pistas ou para um percurso de caminhada.

Não haverá atrasos ou outros aborrecimentos como haveria ao viajar no mundo real durante essas mudanças. De maneira semelhante, os usuários podem se conectar com amigos e familiares imediatamente para compartilhar a experiência. No centro da interpretação da ideia do Facebook está a ideia de compartilhar experiências virtuais com outras pessoas.

Mark Zuckerberg não está interessado apenas em desenvolver um novo ambiente digital. Além disso, ele está adicionando essa camada adicional à ênfase do Facebook no engajamento social. Isso demonstra como a popularidade da Internet explodiu quando os indivíduos começaram a se conectar principalmente por meio de dispositivos móveis.

A entrada do Facebook no metaverso: Por quê?

É claro que o Facebook está trabalhando duro para desenvolver o metaverso. Mas é crucial lembrar que todo esse trabalho foi criado com um propósito. As escolhas que fazemos hoje moldarão o metaverso do Facebook do futuro. Então, por que o Facebook está se concentrando tanto no metaverso?

O fato de o Facebook já ter se estabelecido como uma plataforma considerável para o metaverso é uma das considerações mais importantes. As conexões humanas são um componente importante da construção do metaverso. Em essência, é um ambiente virtual onde vivem pessoas muito reais que criaram avatares digitais. A representação no mundo real do Facebook como plataforma já existe. A maioria das pessoas já tem uma conta no Facebook e uma presença digital nessa rede.

Ao interagir com outros usuários no Facebook, uma parte considerável da base de usuários da plataforma deu o primeiro passo no metaverso.

Além disso, o Facebook possui tecnologia que não está em uso atualmente, mas seria ideal para o metaverso. Uma boa ilustração é o reconhecimento facial. Embora ainda possa ser utilizado no metaverso, não é mais utilizável na plataforma primária.

Por fim, o Facebook ganha por já ter presença na realidade virtual. Seu dispositivo oculus é um ótimo ponto de entrada do metaverso.

O que o Facebook tem a dizer sobre um desenvolvimento responsável do metaverso?

O metaverso do Facebook é um meio crucial. As pessoas podem aprender, brincar e experimentar conexões humanas genuínas neste ambiente virtual. No entanto, qualquer coisa tão significativa carrega uma grande responsabilidade. E o Facebook foi bastante explícito sobre o quão seriamente eles levam essa obrigação.

Segundo a empresa, eles estão colaborando com grupos de direitos civis e direitos humanos para garantir que a inclusão esteja enraizada no metaverso desde o início. Mas o Facebook não colabora simplesmente com instituições de caridade. Eles colaboram com outras empresas para tornar o metaverso uma rede estável e funcional.

O Facebook está enfatizando a responsabilidade de algumas maneiras importantes. Estes incluem equidade, segurança, privacidade e oportunidade econômica. A oportunidade pessoal é um dos principais temas que permeiam todos esses assuntos. As pessoas poderão prosperar da maneira que escolherem, seja participando da economia ou obtendo acesso à educação.

Críticas ao Facebook na comunidade online

Claro, haverá preocupações com cada iniciativa significativa. Não há exceção a essa regra no metaverso do Facebook. Algumas pessoas criticaram o Facebook por seu envolvimento no metaverso.

Questões de privacidade

Faz sentido supor que o metaverso do Facebook será semelhante. Em essência, o Facebook é um registro maciço da vida de cada usuário. Isso implica que eventualmente terá uma quantidade significativa de dados de todos. Além disso, adiar seus óculos de realidade virtual não desvinculará automaticamente os usuários desses dados. Ao exibir vários metaversos para pessoas diferentes, as corporações podem até influenciar a opinião pública. O Facebook deve garantir que a privacidade dos usuários seja sempre respeitada.

Opinião impopular sobre o Facebook

O Facebook não é amplamente considerado como uma plataforma segura ou confiável. Isso se deve principalmente às questões de privacidade que foram levantadas anteriormente. No entanto, também se deve ao envelhecimento demográfico da atual base de usuários do Facebook. Os usuários do Facebook têm agora 41 anos de idade em média. A plataforma está tentando atrair usuários mais jovens. E acredita-se que algumas pessoas usariam o metaverso como uma tentação viciante para fazer isso.

Fugindo da crise de relações públicas

Um problema de relações públicas envolvendo o Facebook agora está atormentando a empresa por vários motivos. A empresa tem sido associada a uma variedade de resultados negativos, incluindo desinformação prejudicial, divisão política e até mesmo problemas de saúde mental de jovens. Algumas pessoas temem que a mudança do Facebook para a marca Meta e o engajamento no metaverso sejam mais para exibição do que para avanço real. Eles afirmam que, ao se engajar em um projeto brilhante e interessante, a corporação está tentando desviar a atenção desfavorável.

O Metaverso no Facebook no futuro

O metaverso do Facebook, sem dúvida, ainda está em sua infância. Ray-Ban Stories é uma das mais recentes inovações a chegar ao mercado. Em algum momento, o que atualmente são apenas notificações, se transformará em realidade aumentada completa. Da mesma forma, os usuários podem esperar ver cada componente do metaverso do Facebook se expandir para algo maior daqui para frente.

Os planos futuros incluem alguns da moda. Um elemento desse foco são os novos óculos. O metaverso provavelmente também terá avatares mais fotorrealistas, os usuários podem antecipar. Além disso, novas técnicas de entrada, como eletromiografia, aumentarão a imersão. Até mesmo interações inteligentes serão fornecidas pela IA.

Entre outros negócios do metaverso está o metaverso do Facebook

Existem outros participantes significativos no metaverso além do Facebook e do Meta. Na competição para se tornar a empresa mais conhecida do metaverso, muitos outros gigantes da tecnologia entraram. Independentemente de estarem se concentrando na criação de tecnologia, gadgets ou software, cada um busca um aspecto diferenciado para estabelecer seu valor no mercado.

Leia “Empresas do Metaverso Construindo o Futuro; Uma Visão Geral” para obter mais detalhes sobre quais empresas são mais conhecidas no metaverso.

Muito tempo depois que o Facebook se foi, o metaverso do Facebook continuará se expandindo. Em um curto período de tempo, a empresa já desenvolveu um número impressionante de implementações de exemplo. Além disso, seus planos futuros são igualmente impressionantes.

Ataques cibernéticos – Como Proteger sua Empresa?

Sua reputação conquistada pode estar em jogo em questão de minutos a partir de um ataque cibernético. Ataques cibernéticos afetam suas finanças e põem em risco a confiança do consumidor que você trabalhou tanto para conquistar ao longo dos anos. Isso levanta questões sobre se os clientes podem ou não confiar seus dados confidenciais à sua empresa, tornando a segurança cibernética um requisito crucial para sua empresa.

Ataques cibernéticos - Como Proteger sua Empresa?

Para se proteger contra ameaças cibernéticas, é aconselhável ter um programa padrão de segurança cibernética implementado em sua empresa, completo com ferramentas como SIEM, soluções de provisionamento de usuários, ferramentas de gerenciamento de vulnerabilidades e outras. Vamos investigar as inúmeras facetas do cibercrime com mais detalhes.

O que é um ataque cibernético?

Uma tentativa ofensiva e imoral de expor, alterar, desativar ou roubar os ativos de uma organização é conhecida como ataque cibernético. Ele pode se originar de um ou mais computadores e redes de destino ou dispositivos pessoais.

Normalmente, a pessoa ou coisa que lançou o ataque é chamada de invasor. Podem ser nações independentes, grupos sociais particulares, pessoas que vivem em uma comunidade ou instituições.

Um ataque cibernético visa obter acesso ao dispositivo invadindo um sistema fraco. O objetivo pode ser qualquer coisa, desde infectar um dispositivo pessoal com malware até erradicar a infraestrutura digital de uma empresa inteira ou até mesmo de um país.

Também pode ser um componente de ciberterrorismo ou guerra cibernética, caso em que a ferramenta usada para apoiar um ataque online é chamada de arma cibernética.

Por que ocorrem ataques cibernéticos?

Os ataques cibernéticos estão ficando cada vez mais complexos. O aumento desses incidentes a cada ano sugere algumas causas comuns. A seguir estão algumas das causas mais prevalentes:

Os ataques cibernéticos que exigem um resgate do proprietário da rede ou do dispositivo são conhecidos como ataques de ransomware.

Acesso a informações financeiras: O objetivo de tais ataques pode ser obter informações financeiras sobre os clientes de uma empresa ou a própria empresa. Esse conhecimento pode ser tornado público ou aplicado ao próprio ganho financeiro. Também pode ser usado para roubar dinheiro da conta bancária de uma pessoa.

Para implementar ou tornar pública a propriedade intelectual, pode-se invadir o sistema ou a rede de uma empresa para obter acesso a segredos comerciais ou designs de produtos.

Terrorismo: Hackear os dispositivos pessoais dos usuários para instalar malware ou usar serviços criptografados para comunicação é uma prática predominante entre as organizações terroristas. Representa um risco potencial para a segurança de todo o país.

Tipos de ataques cibernéticos

Devido às técnicas de hacking altamente desenvolvidas, os ataques cibernéticos hoje ocorrem em várias formas e podem ser mais perigosos para a segurança do seu dispositivo ou rede. Os tipos mais frequentes de ataques cibernéticos estão listados abaixo:

  • Malware

Malware é um software nocivo, normalmente um trojan que impede que seu sistema funcione normalmente ou limita seu acesso aos dados que ele armazena.

Esses programas incluem worms, vírus, spyware e ransomware. Na maioria das vezes, o malware é instalado no sistema do computador quando um usuário clica em um link ou anexo de e-mail perigoso.

  • Phishing

Phishing é o envio de comunicações falsas que parecem ser de uma empresa ou pessoa confiável. E-mails ou mensagens de texto são formas aceitáveis ​​de comunicação.

Ele procura roubar dados, principalmente dados confidenciais, como endereço, número do cartão de crédito ou histórico médico da vítima. Embora o invasor possa ocasionalmente se contentar com os dados roubados, isso também pode ser o início de ataques cibernéticos muito maiores. No dispositivo da vítima, o malware também pode ser instalado.

Os invasores manipulam as emoções da vítima para fazê-la clicar em links ou anexos de e-mail, como medo, pressa ou ganância. Depois de clicar no link e ser redirecionado para lá, você compromete qualquer informação que o invasor esteja tentando acessar. Após o ataque inicial, você pode correr o risco de perder fundos da empresa, prejudicar sua marca ou até mesmo permitir o acesso a arquivos cruciais.

  • Ataque por “Man in the Middle”

Em um ataque man-in-the-middle (MITM), um hacker transmite ou altera a comunicação entre duas partes que acredita estarem falando diretamente uma com a outra.

Um tipo de ataque MITM, quando o invasor cria conexões separadas com duas vítimas, é a espionagem. O invasor tem controle total sobre o bate-papo e pode espionar as comunicações entre as vítimas, inserir novas mensagens ou alterar o diálogo conforme necessário.

  • Ataque DoS (denial-of-service)

Uma abordagem vigorosa para evitar que um serviço digital funcione conforme pretendido é o DoS ou Distributed Denial of Service Attack (DDoS). Quando o invasor restringe o acesso a um servidor ou site vinculado à internet, isso acontece.

Vários algoritmos automatizados são usados ​​para processar esse ataque, inundando uma rede para usar toda a largura de banda disponível. Como resultado, o alvo é incapaz de realizar solicitações válidas ou reagir a consultas.

  • Injeção de Linguagem de Consulta Estruturada (SQL):

A injeção de SQL adultera as consultas de banco de dados que um programa faz. Ele permite que o invasor veja dados que geralmente estão ocultos.

É possível que hackers usem uma injeção de SQL como ponto de partida para um ataque DDoS, o que pode comprometer um servidor ou outra infraestrutura crucial.

  • Uma exploração de dia zero:

As vulnerabilidades de dia zero ocorrem quando uma falha é identificada recentemente, mas não corrigida. Os usuários começam a baixar atualizações de segurança assim que um patch é disponibilizado, o que reduz o número de dispositivos vulneráveis. Entre o anúncio do problema e a melhor implementação do patch, os atacantes focam na vulnerabilidade.

As agências governamentais frequentemente aprendem como explorar essas fraquezas por meio da venda de tais táticas na dark web.

  • Cryptojacking:

Nos últimos anos, criptomoedas como bitcoin e outras cresceram em popularidade e utilidade. Em um ataque de cryptojacking, o dispositivo da vítima é usado para “minerar” (criar criptomoeda) para o atacante.

É um ataque específico que envolve a instalação de malware no computador da vítima para realizar os cálculos necessários ou executar códigos JavaScript que são executados no navegador host.

  • DNS de tunelamento:

Embora o túnel DNS tenha muitas aplicações legítimas no setor de tecnologia da informação, ele também pode ser utilizado para realizar ataques cibernéticos. HTTP e outros tráfegos de protocolo são enviados pelo DNS durante o ataque. Eles podem ser usados ​​para mascarar dados que normalmente são compartilhados pela Internet, disfarçando o tráfego de saída como DNS.

Para obter dados de um dispositivo vulnerável e enviá-los à rede do invasor, as solicitações de DNS são modificadas para fins imorais. Essa técnica também pode ser usada para enviar retornos de comando e controle para o sistema comprometido da rede do invasor.

Como defender sua empresa contra ataques cibernéticos

Mais do que simplesmente instalar um programa antivírus é necessário para mitigar os perigos online representados por um ataque. É preciso atenção e vigilância constantes. Usando algumas dicas rápidas, isso pode ser simplificado. Veja como defender as redes da sua empresa contra ameaças online.

Restringir o acesso dos funcionários: reduzir a possibilidade de erro humano pode ser muito útil para prevenir até mesmo cenários remotos de violação de dados. Dê à sua equipe acesso apenas aos dados necessários para realizar suas tarefas. Remova todos os dados de um funcionário dos sistemas se ele sair da organização ou passar para outro cargo.

Aplicação de patches: é importante aplicar patches e atualizar todo o seu software em todos os dispositivos que sua equipe utiliza. O download imediato das atualizações do sistema operacional é recomendado, pois elas frequentemente incluem recursos de segurança aprimorados.

Proteja todas as redes e pontos de acesso sem fio e certifique-se de que estejam configurados para uso por sua empresa. Em novos dispositivos, modifique a senha administrativa, configure o WAP para não difundir para o SSID e fique longe do WEP.

Instale filtros: use filtros de e-mail e online em seus dispositivos para identificar hackers e impedir spam. Instale o software de lista negra para impedir que as pessoas visitem sites potencialmente perigosos.

O treinamento dos funcionários é essencial para preservar a segurança cibernética, pois permite que os usuários aprendam as melhores práticas de segurança cibernética. Todo funcionário precisa entender como usar o e-mail para fins pessoais e profissionais, como lidar com ameaças de segurança cibernética e outros tópicos.

Proteja sua entrada digital

Os ataques cibernéticos cresceram em importância desde que a tecnologia da informação se tornou uma necessidade básica.

Embora ninguém esteja completamente protegido de seu perigo iminente, eles sempre podem ser evitados. Devemos tomar todas as precauções necessárias para proteger nossa propriedade online porque o paradigma da ciberética está em constante evolução.

Corrigir vulnerabilidades de ativos é o primeiro passo para prevenir ataques cibernéticos, então faça isso agora.

As Sete Camadas do Metaverso – Mergulhando no Futuro

O metaverso pode ser pensado como tendo níveis que envolvem seus usuários. É importante que as pessoas lembrem que essas camadas não estão em nenhuma ordem específica. No entanto, à medida que os indivíduos exploram ou melhoram esses níveis, eles se tornam mais interconectados com o metaverso. À medida que se tornam mais poderosos ou presentes em cada camada, tornam-se mais plenamente residentes do metaverso.

As Sete Camadas do Metaverso - Mergulhando no Futuro

1. Um encontro com uma realidade não materializada

O metaverso é frequentemente percebido como um ambiente 3D. E é verdade que é assim que a maioria dos usuários se envolve com o metaverso. Os fones de ouvido VR, por exemplo, imitam o ambiente 3D. Os usuários podem segurar ou mover objetos nesses ambientes 3D graças aos dispositivos de interface. O metaverso, no entanto, não é um ambiente 3D. Também não é um espaço 2D.

Em contraste, o metaverso é uma realidade desmaterializada em que as dimensões espaciais não têm sentido. Por exemplo, o Alexa pode ser encontrado dentro de pequenos itens conectados a enormes volumes de dados. Além disso, os indivíduos dentro do metaverso têm acesso a enormes territórios virtuais que, em última análise, existem como algo tão pequeno quanto um disco rígido.

As percepções das pessoas sobre as dimensões espaciais são essencialmente destruídas pelo metaverso. E não é só o metaverso em si que é assim. Assim como os humanos podem encontrar componentes do mundo real dentro do metaverso, a internet das coisas (IoT) pode trazer o metaverso para o mundo físico.

2. Exploração e descoberta de um mundo vasto e vivo

A exploração do metaverso é uma camada crucial que às vezes é difícil de compreender. A exploração envolve mais do que apenas examinar uma cena 3D virtual. É claro que uma imersão mais profunda nas experiências do metaverso inclui esse tipo de exploração. A oportunidade de estar entre os primeiros a experimentar novos pontos turísticos nas paisagens em constante expansão do metaverso atrai muitas pessoas.

No entanto, como já foi mencionado, o metaverso é mais do que apenas espaços 3D. As descobertas de entrada também fazem parte da exploração e descoberta. Por exemplo, os usuários acessarão frequentemente o conteúdo feito pela comunidade. Além disso, muitas empresas procuram pessoas com hobbies particulares e complementares.

O metaverso também permite a descoberta de saída. Por exemplo, o que a maioria das pessoas considera spam ou anúncios seria considerado descoberta de saída. Mas há uma característica compartilhada por todas essas situações. Todos eles se concentram em indivíduos descobrindo novas experiências no metaverso.

3. Uma economia próspera para artistas

O metaverso é o lar de uma economia robusta. Como já foi dito, as transações baseadas em blockchain ou baseadas em criptomoedas são frequentemente usadas no metaverso. A economia do metaverso, no entanto, envolve mais do que apenas trocar dinheiro por produtos e serviços. A economia do metaverso é distinta do mundo real por ser uma economia criadora.

A web inicial e o metaverso passaram por duas fases distintas de crescimento. A era pioneira é a primeira. Para produzir material na esfera digital durante esse período, era preciso ser altamente qualificado. Para produzir material para o início da internet ou metaverso, por exemplo, seria necessário ser um programador habilidoso. Seguiu-se a era da engenharia, onde as novas tecnologias simplificaram a produção de conteúdo até mesmo para codificadores inexperientes.

A era do criador é o que distingue um verdadeiro metaverso, no entanto. Aqui, pessoas comuns podem produzir itens. Eles também podem vender itens com facilidade.

4. Computação espacial que borra a linha entre o mundo real e o mundo virtual

Os limites das dimensões espaciais frequentemente desaparecem no metaverso, como já foi mencionado. As linhas entre os mundos digital e analógico ficam mais borradas à medida que o metaverso cresce. O que é real e o que é virtual? A ideia de que o mundo digital não é real é simples de afirmar. Mas e se seu dinheiro, compras exclusivas e até imóveis forem feitos online? Isso faz com que pareça extremamente real. Da mesma forma, um espaço de RV pode ter pouco a ver com a substância desse lugar.

Enquanto isso, espaços 3D podem ser simulados em mundos digitais. Você pode passear por trilhas virtuais e observar resultados tangíveis. Você pode viajar virtualmente longas distâncias, queimar calorias movendo seus braços ou pernas e simplesmente relaxar enquanto contempla horizontes distantes.

De certa forma, você não está indo muito longe quando julgado em termos analógicos. Você pode estar se movendo lentamente ou ao longo de uma trilha curta. Mas a emoção é o que conta.

5. Uma experiência interoperável com componentes descentralizados

Uma única entidade ou componente gerencia um sistema digital completo em computação centralizada. A abordagem mais simples para utilizar ou construir redes é dessa maneira. No entanto, não dá aos usuários finais muita autonomia ou autoridade. Em contraste, o metaverso depende do desenvolvimento descentralizado. Isso indica que existem vários componentes de propriedade e feitos separadamente no metaverso.

A definição precisa de descentralização difere dependendo de como é aplicada. A interoperabilidade, no entanto, é um conceito fundamental que todas as facetas do metaverso compartilham. Com base em padrões, as pessoas produzem componentes compatíveis entre si. Isso implica que as peças podem efetivamente ser retiradas e substituídas. Isso é comparável a retirar a RAM de um computador e substituí-la por um stick de RAM feito por uma empresa diferente.

O blockchain e outros sistemas são compatíveis com o metaverso graças aos padrões compartilhados. Também implica que os indivíduos podem criar suas próprias extensões ou aplicativos.

6. Interfaces Humanas que Habilitam a Interação Direta

Muitas vezes, as pessoas não sabem com que frequência usam a tecnologia. Por exemplo, um smartphone é menos um telefone e mais um poderoso supercomputador em rede. Para facilitar ainda mais o engajamento, esses dispositivos também incluem uma variedade de sensores e até uma pequena quantidade de IA. A maioria das pessoas se envolve com isso ao longo do dia sem pensar muito.

Os smartphones não estão apenas se tornando mais compactos e fáceis de usar. Além disso, eles estão sendo incorporados à tecnologia de interface metaverse. Como ilustração, o Oculus Quest combina essencialmente VR e telefones celulares. Uma interface humana no metaverso é criada com sucesso por meio da integração de componentes. Em parte significativa, as pessoas estão evoluindo para ciborgues.

Os eletrodomésticos do dia a dia estão se tornando mais inteligentes graças à internet das coisas. Produtos como óculos inteligentes apresentam uma variedade de novos recursos. Prevê-se que a prática de colocar novos sensores nos corpos das pessoas continue.

7. Um sistema para construir redes e interfaces virtuais maiores

Finalmente, uma infraestrutura sofisticada suporta o metaverso. Isto é frequentemente referido como um sistema nebuloso. No entanto, a maioria das pessoas está familiarizada com os elementos do metaverso. Por exemplo, todos estão familiarizados com redes sem fio porque usam seus telefones o tempo todo. Não só a qualidade das chamadas melhorará com as redes 5G. Além disso, oferece taxas de dados mais rápidas. Como resultado, mais pessoas poderão acessar a riqueza de dados do metaverso.

Uma interface melhor é possibilitada pela funcionalidade aprimorada dos dispositivos móveis. No entanto, também simplifica a construção de VR e outros dispositivos de exibição com dimensões pequenas. O Oculus Quest demonstra que os fabricantes são capazes de desenvolver sistemas de RV que integram componentes móveis.

A extensa integração de recursos em várias tecnologias auxilia no desenvolvimento da infraestrutura do metaverso. O acesso a ele se tornará mais prevalente à medida que o desenvolvimento continuar.

Eduvem é finalista do 1º Ciclo de Aceleração EduStartups da PUCRS, o Tecnopuc, Colégios e Unidades Sociais da Rede Marista e a aceleradora Wisidea.

A sociedade está sendo desafiada a pensar de forma criativa e financeiramente sustentável os novos processos educativos informais, formais e corporativos, principalmente considerando a incorporação de novas tecnologias. As organizações e os cidadãos têm buscado tecnologias de informação e de comunicação que desafiam as culturas de ensino estabelecidas.

Um crescente número de startups tem gerado novas soluções que permitem, por exemplo, uma maior interação entre docentes e estudantes, acesso ao conteúdo em múltiplas plataformas e melhorias no processo de aprendizagem. A solução para grande parte dos desafios na área da educação pode ser alcançada por meio da colaboração ativa entre os diversos atores do setor.

O que é o Programa de Aceleração EduX?

O 1° Ciclo do Programa de Aceleração EduStartups (pilar do Hub para startups) é uma iniciativa da PUCRS, Tecnopuc, Colégios e Unidades Sociais da Rede Marista e Wisidea, voltada para o empreendedorismo e desenvolvimento de startups de bases tecnológicas que possuem soluções inovadoras para a área da Educação. A iniciativa foi criada com o intuito de acelerar o desenvolvimento de startups atuantes na área de Educação, as chamadas edtechs, através de conexões, mentorias, eventos, networking, proximidade com potenciais investidores e ampliação da atuação no mercado.

Onde posso saber mais sobre o que é o Hub EduX?

Basta acessar o endereço eletrônico https://www.hubedux.com.br e ficar por dentro dos eventos, notícias e demais informações que o Hub está promovendo. Caso deseje saber mais a fundo sobre o Hub e o que há por trás dele, acesse https://www.hubedux.com.br/manifesto.

Como a Escuta Social ajuda a tomar decisões de focadas no consumidor

Todos os dias, novas empresas surgem no mercado mundial, mas estabelecer-se no pensamento dos consumidores e conquistar a fidelidade dos clientes continua sendo uma luta. As análises de escuta social podem ajudar as marcas a tomar decisões centradas no consumidor.

Como a Escuta Social ajuda a tomar decisões de focadas no consumidor

Durante a epidemia de COVID-19, o uso das mídias sociais pelos consumidores se expandiu significativamente. Portanto, as empresas líderes devem aproveitar a análise de escuta social para tomar decisões baseadas em dados, em vez de confiar na intuição.

O que constitui a Escuta Social?

A escuta social é importante para compreender o pensamento dos consumidores. Analisar os dados disponíveis de vários sites de mídia social para identificar os requisitos, interesses e preocupações dos consumidores ajuda os executivos de negócios a tomar as melhores decisões.

Ele utiliza plataformas de mídia social como Twitter, YouTube, Reddit, Instagram e Facebook, bem como as interações entre usuários de mídia social e tendências diárias.

Por que as empresas exigem a Escuta Social?

As marcas devem examinar vários elementos, incluindo conhecimento da concorrência, opinião do consumidor e potencial de crescimento; as seguintes análises os ajudam a fazê-lo.

Análise de Espaço em Branco — Para descobrir perspectivas de expansão

A análise do espaço em branco permite que uma empresa identifique as lacunas entre as coisas que seus clientes já compraram e os outros produtos que a empresa oferece. Esse processo é conhecido como “mapeamento de espaço em branco”. Por meio do uso desse método de mapeamento, podemos identificar chances de cross-selling e upselling.

  • A venda cruzada (cross-selling) envolve a venda de produtos complementares aos clientes, dependendo do produto que eles já compraram.
  • Upselling é a prática de vender produtos adicionais relevantes aos clientes para complementar e aprimorar seus produtos existentes.

Além de focar nos clientes, a análise de espaço em branco também é usada para monitorar de perto as perspectivas dos concorrentes, setores e partes interessadas. Contribui para o crescimento da receita de uma empresa.

Essa pesquisa é realizada manualmente usando uma plataforma como o Salesforce que coleta e analisa todos os dados do cliente.

A técnica utilizada na Análise de Espaço em Branco

  1. O primeiro passo para identificar uma oportunidade de espaço em branco é entender seus consumidores existentes – quais são seus investimentos atuais em produtos? Quais produtos os clientes já compraram?
  2. A fase seguinte é oferecer os produtos a novos clientes em oposição aos existentes.
  3. Realizar uma pesquisa de clientes atuais sobre os produtos da empresa.
  4. Trabalhe em novos clientes potenciais, como contatar clientes existentes diretamente, agendar uma reunião e preparar os dados dos clientes para entrada no espaço em branco. Em seguida, crie produtos e serviços valiosos e, em seguida, segmente os clientes com métodos de marketing.

Avaliação do concorrente

O objetivo da análise da concorrência é determinar os pontos fortes e fracos da empresa em relação aos seus concorrentes. O principal objetivo dessa análise é encontrar áreas em que a empresa é superior aos concorrentes e vice-versa. As oportunidades de espaço em branco nos permitem atingir os clientes de forma mais eficaz do que a concorrência. Ao analisar os concorrentes, pode-se determinar onde estão os investimentos de seus consumidores e, em seguida, selecionar o produto adequado para atender às suas demandas.

Aqui está uma visão detalhada de como as organizações podem realizar análises competitivas.

  1. Crie uma lista de concorrentes realizando uma pesquisa por seus produtos em um mecanismo de pesquisa para identificar empresas rivais. Antes de escolher seus produtos, você também pode pesquisar seus clientes existentes sobre suas preferências de marcas alternativas. Existem duas categorias principais de concorrentes: concorrentes diretos que vendem produtos idênticos aos clientes e concorrentes indiretos que vendem produtos diferentes aos mesmos clientes.
  2. Crie uma matriz ou grade para comparar suas descobertas com as de seus concorrentes.
  3. Colete informações básicas sobre a concorrência, incluindo seu site, contas de mídia social, artigos sobre sua empresa, localização e tamanho.
  4. Colete informações sobre os clientes-alvo dos concorrentes e desenvolva novas estratégias para cobri-los.

Análise de sentimento – Para obter a opinião do cliente

A Análise de Sentimento é usada para examinar as opiniões dos usuários sobre qualquer assunto. Determina, por exemplo, se uma campanha de mídia social obtém ou perde audiência. Além disso, é utilizado para descobrir todos os problemas atuais do cliente para suporte ao cliente e empresas baseadas em serviços.

Quem deve utilizar a Escuta Social?

Todas as empresas e marcas podem lucrar com o feedback de seus clientes.

Feedback de clientes, análises de produtos e debates sobre produtos são inestimáveis ​​para qualquer marca. Essas informações representam a popularidade e o desempenho de uma marca. Um negócio que desconsidera as opiniões desfavoráveis ​​de seus clientes acabará fracassando.

Lidar com emoções negativas e críticas é essencial para que uma empresa demonstre como vê seus consumidores e feche as lacunas de experiência.

Assim, toda marca com comércio direto com os clientes deve utilizar a escuta social para se destacar e se firmar no mercado.

Onde a Análise de Escuta Social pode ser realizada?

Twitter, Facebook, Reddit, Pinterest e LinkedIn são plataformas de mídia social onde hashtags, menções, comentários, curtidas e compartilhamentos podem ser analisados.

Curtidas, desgostos e comentários em sites de streaming de vídeo como YouTube, Vimeo e Dailymotion podem ser usados ​​para analisar o alcance e a popularidade de um produto.

Quando é realizada a Análise de Escuta Social?

Quando uma empresa planeja lançar um produto, a análise de escuta social pode ser usada para avaliar o alcance do produto após o lançamento, identificar lacunas entre a empresa e os clientes e melhorar o crescimento da empresa de várias maneiras.

Administração de reputação

É essencial preservar a reputação da marca. Estabelecer a reputação de uma marca envolve entender o que os consumidores acreditam sobre a empresa e que tipo de opiniões são postadas nas mídias sociais. Então, as marcas devem tomar decisões para permanecer no mercado com base nas descobertas.

Cative o foco dos clientes

Cada marca terá sua própria página de mídia social e identificador. Usando sites de mídia social, as marcas podem lançar várias campanhas para aumentar o reconhecimento da marca e aumentar o valor da marca na mente dos consumidores. Além disso, a análise de escuta social nos mesmos tópicos (respostas do usuário, comentários e menções) contribui para a aquisição do interesse do cliente pela marca, recursos adicionais e feedback do produto. Isso ajudará as marcas a manter a uniformidade em todo o setor a longo prazo.

Preencha as lacunas de conhecimento

É essencial preencher a lacuna entre a experiência do cliente e a qualidade do produto. Pode haver dificuldades recorrentes, como atrasos na entrega e características do produto. Seria ideal se você colaborasse com equipes dentro de sua organização para lidar com reclamações de consumidores depois de descobri-las.

Resumo

Em conclusão, a análise de escuta social é o método mais prevalente para obter insights do cliente para tomar decisões sustentáveis ​​da empresa. A escuta social fornecerá feedback sincero e em tempo real sobre todas as marcas, o que é superior às opiniões obtidas em pesquisas públicas. Além disso, é uma estratégia econômica que oferece várias vantagens:

  • Saúde da marca: a medição das percepções do consumidor sobre uma marca ou seus produtos
  • Insights do setor: analisando comentários ou hashtags específicos do setor.
  • Análise de oportunidades: Analisar a possibilidade de diferenciação do produto no mercado.
  • Analise uma marca ou produto concorrente em uma análise competitiva.
  • Análise de campanha é descobrir como o público-alvo responde à campanha.
  • Monitoramento de eventos: observe a reação do público a uma conferência ou outro evento.

Três maneiras de expandir rapidamente sua base de clientes

Demorou mais de um dia para construir Roma. Uma base de clientes refere-se ao grupo de consumidores que fazem compras recorrentes de produtos ou serviços de uma empresa, e é muito importante expandir essa base para aumentar o sucesso do empreendimento.

Três maneiras de expandir rapidamente sua base de clientes

Leva tempo para expandir uma base de clientes, e isso é verdade se sua empresa está apenas começando ou já existe há algum tempo. Afinal, cultivar um relacionamento sólido com seus clientes em todos os níveis pode levar muitos meses ou até vários anos para ser realizado. Roma, por outro lado, pode ser construída em tempo recorde se as ações apropriadas forem tomadas para aumentar o conhecimento dos consumidores sobre a marca e se tempo e esforço suficientes forem investidos no marketing da empresa.

Nos dias de hoje, a primeira coisa que deve ser feita para atrair novos clientes é estabelecer uma presença online. No entanto, isso não é suficiente. Se você deseja aumentar sua base de clientes e atrair novos clientes, precisa direcionar seus esforços de marketing de maneira proativa em uma variedade de mídias digitais. Isso permitirá que você aumente sua base de clientes.

Existem três estratégias para expandir a base de consumidores

Na maioria das situações, as bases de clientes não começam e se desenvolvem rapidamente da noite para o dia. Como resultado, os proprietários de empresas precisam ser proativos para aumentar a aquisição de clientes e manter sua posição como líderes de mercado.

1. Mídia social

De acordo com pesquisa realizada pela BigCommerce em 2018, as redes sociais que têm mais sucesso para anunciar em sites de comércio eletrônico incluem Facebook, Instagram, Twitter, Pinterest, LinkedIn e Snapchat.

Você poderá entrar em contato com um número substancial de clientes em potencial através do uso desses canais de mídia social para quase nenhum desembolso financeiro. Aproveite isso procurando combinações de palavras-chave relevantes para seu setor para localizar clientes em potencial que possam se interessar pelos produtos ou serviços que você oferece. Se você presta serviços financeiros, por exemplo, deve pesquisar frases como “finanças pessoais” e “serviços financeiros”, além de termos mais genéricos como “finanças” e “como estabelecer um orçamento”. Siga os indivíduos que parecem ser adequados para seu público-alvo e comece a interagir com eles de uma maneira que demonstre a personalidade de sua empresa, bem como seu nível de experiência no campo relevante.

Ferramentas a serem consideradas: Um software de marketing para mídias sociais pode ajudá-lo a gerenciar perfis e ampliar o alcance social de sua empresa. No G2, você tem a opção de selecionar uma ferramenta que se enquadre nas categorias de análise, marketing de influenciadores, monitoramento de mídia social ou qualquer uma das outras categorias de mídia social.

2. Newsletters enviadas por e-mail

Você pode expandir rapidamente sua base de clientes e aumentar o número de pessoas que se inscrevem em sua newsletter entrando em contato com eles por e-mail. Como as informações de contato são valiosas para objetivos de negócios pessoais e profissionais, você pode construir uma base de assinantes forte que esteja pronta para compra quando você lançar seu serviço se fizer um investimento em uma solução de marketing por e-mail e criar mensagens atraentes para clientes em potencial.

Ferramentas a ter em consideração O software de marketing por e-mail ajuda-o a gerir os seus contactos e a desenvolver newsletters.

3. Marketing realizado pessoalmente

A comunicação direta e individual com clientes em potencial é a marca registrada do marketing cara a cara. Nesta abordagem, você deve iniciar uma discussão com seus clientes, durante a qual você pode perguntar sobre o bem-estar deles e perguntar sobre os tipos de coisas que os interessam. Isso ajudará a criar um relacionamento com seus clientes ao longo do tempo e garantirá que eles se lembrem de você quando chegar a hora de fazer outra compra do seu produto ou serviço.

Aumentar o número de clientes levará algum tempo

Expandir uma base de clientes é semelhante ao crescimento de uma carteira de investimentos, pois pode levar algum tempo até que o valor seja percebido. A boa notícia é que com um pouco de esforço e as técnicas apropriadas, você pode desenvolver uma base que ajudará sua empresa ou organização a ganhar impulso. Isso não é algo que acontece rápido, mas a boa notícia é que é algo que pode ser feito.

Comumente perguntado: o que é base de clientes?

A base de clientes de uma empresa é o conjunto de usuários finais a quem ela promove e vende os produtos e serviços que fornece.

Em um esforço para aumentar as vendas, as empresas pesquisam sua base de consumidores para adaptar sua linha de produtos e ofertas promocionais. A ampliação da base de clientes de uma empresa é um método que pode ser utilizado para impulsionar as vendas.

Uma base de clientes geralmente é uma população que foi direcionada para fins de marketing ou um conjunto de indivíduos que compartilham interesses semelhantes, o que aumenta a probabilidade de que eles se interessem por um determinado produto ou serviço. Os clientes que tiveram seus requisitos atendidos satisfatoriamente provavelmente se tornarão clientes recorrentes de um determinado negócio. Esses clientes recorrentes podem tornar o patrocínio de uma empresa habitual. Clientes como este podem ser uma ótima fonte de promoção gratuita através do boca a boca, desde que estejam satisfeitos com o serviço que recebem.

O tamanho da base de clientes de uma empresa pode variar muito. Uma definição de um negócio com uma ampla base de clientes é aquele que tem um grande número de consumidores que fazem muitas transações menores. Bases de clientes que são grandes geralmente têm um apelo amplo e podem consistir em itens e serviços que são necessários de forma consistente, como alimentos, material de escritório e produtos de limpeza. Argumenta-se que uma empresa tem uma base de clientes maior quando sua base de clientes consiste em um número menor de consumidores que fazem menos, porém maiores transações. Grandes bases de clientes exigem cuidados adicionais e nutrição de leads. É prática comum as empresas incorporarem o cultivo de relacionamentos com seus clientes mais valiosos em suas estratégias de vendas e marketing.

Caso tenha se interessado, entre em contato conosco para que nós te ajudemos a expandir a sua base de clientes.

Diversidade – Como Promovê-la no Ambiente de Trabalho?

Há uma infinidade de abordagens que podem ser usadas para começar a promover a diversidade no ambiente de trabalho da sua empresa. Aqui estão algumas sugestões para você começar.

Diversidade - Como Promovê-la no Ambiente de Trabalho?

As normas devem ser baseadas em critérios objetivos.

O uso de critérios objetivos reduz a probabilidade de viés ou preconceito. Para minimizar ao máximo o preconceito inconsciente, reúna sua equipe para discutir abertamente esses critérios e desenvolver planos de ação conjuntos para implementação. A utilização de uma ferramenta que permita que gerentes e equipes identifiquem um foco, desenvolvam um plano e concordem com uma ação bem-sucedida, é uma abordagem para coletar o ponto de vista de todos.

Recompensar e reconhecer os funcionários regularmente

Apreciar os funcionários por quem eles são como indivíduos demonstra que você se importa com eles como indivíduos. Utilize ao máximo um programa envolvente de reconhecimento e incentivos que encoraje sua equipe a reconhecer não apenas as capacidades, mas também a individualidade de seus colegas. Os reconhecimentos públicos têm uma influência significativa porque promovem um sentimento de pertencimento e, ao mesmo tempo, proporcionam visibilidade para toda a empresa. Os funcionários que alcançam pequenas e grandes vitórias diariamente devem ser recompensados ​​pela equipe executiva, gerentes e colegas de sua empresa. Uma cultura solidária e inclusiva no local de trabalho pode ser criada por meio do reconhecimento dos esforços dos funcionários.

Surpresa, surpresa: apenas 34% das empresas com excelentes sistemas de reconhecimento oferecem reconhecimento inclusivo a seus funcionários. As ferramentas de reconhecimento, principalmente aquelas relacionadas aos programas de diversidade e inclusão de sua empresa, devem ser usadas para promover os valores de sua empresa. Permita que sua equipe associe cada honra a um princípio específico da empresa que promova a diversidade e a inclusão. A seguir estão alguns exemplos de valores da empresa relacionados à diversidade e inclusão: abraçar a variedade intercultural, aderir à igualdade e demonstrar respeito

Algumas soluções de reconhecimento fornecem cartões comemorativos digitais para ocasiões como novas contratações, aniversários de emprego, aniversários e outros aniversários significativos. Explore diferentes tipos de cartões comemorativos assinados pela equipe para ajudar a desenvolver um sentimento de pertencimento e garantir que os funcionários se sintam envolvidos desde o início de seu relacionamento de trabalho. Os funcionários que são frequentemente aceitos e reconhecidos por sua individualidade são mais propensos a continuar dando o melhor de si para o trabalho.

Fazer uso de ferramentas para determinar D&I

Faça uso de ferramentas padrão de recursos humanos para acompanhar seu progresso para se tornar uma organização mais inclusiva e diversificada. O software de engajamento de funcionários pode ajudá-lo a entender melhor os pontos cegos em todos os departamentos e em todos os níveis da hierarquia organizacional. Por exemplo, você pode usar sua solução de voz do funcionário para determinar como seus funcionários se sentem sobre os programas atuais de diversidade e inclusão e para obter feedback sobre áreas que precisam ser aprimoradas. Se você tiver uma plataforma de reconhecimento, dê uma olhada em seus painéis de atividades de reconhecimento para identificar quaisquer equipes ou pessoas que possam estar se sentindo desvalorizadas. Garantir que todos se sintam reconhecidos diariamente é fundamental para criar uma cultura inclusiva.

Considere incluir outros KPIs comuns de diversidade e inclusão, como a porcentagem de funcionários que são membros de grupos minoritários, a permanência média dos funcionários com base na idade ou etnia e assim por diante. Meça esses indicadores-chave de desempenho (KPIs) antes e depois de adotar novos esforços de diversidade e inclusão para determinar onde você está progredindo e onde pode melhorar ainda mais.

Aumentar o número de grupos e comitês de recursos de funcionários.

A criação de grupos de recursos de funcionários (ERGs) ou redes é uma ótima maneira de grupos específicos de pessoas se conectarem e se encontrarem em seu local de trabalho. Como as empresas podem se sentir sobrecarregadas e solitárias às vezes, esses grupos podem ajudar todos a se sentirem mais à vontade e incluídos no processo de fornecer informações. Considere estabelecer uma rede de mulheres, uma rede LGBTQ+ ou um conselho de diversidade e inclusão.

Ao criar seus ERGs, use todos os locais internos disponíveis para promovê-los. Usando os recursos de sua plataforma interna, você pode, por exemplo, anunciar seu estabelecimento para que os funcionários possam participar, destacar quaisquer eventos futuros para que os funcionários possam participar ou solicitar envios de ideias dos funcionários. Isso ajuda a aumentar a conscientização sobre os ERGs e incentiva as pessoas a participar de iniciativas de diversidade e inclusão.

As redes de funcionários são “talvez a estratégia mais eficaz para construir o tipo de cultura inclusiva que permite que as pessoas prosperem e ao mesmo tempo ajude as empresas a se destacarem da concorrência”. Fora dos ERGs, considere formar um grupo de orientação de diversidade e inclusão para ajudar a impulsionar e defender iniciativas de D&I. Esse comitê de direção deve ser composto por todos os tipos de funcionários de todas as áreas do negócio que possam fornecer sugestões, compartilhar as melhores práticas e incentivar seus colegas a participar de atividades de diversidade e inclusão. Os membros do comitê diretor devem ser provenientes de todos os níveis da organização.

Considere todo o seu plano de diversidade e inclusão, além das redes de funcionários. As empresas devem promover a diversidade e a inclusão para melhorar a experiência dos funcionários. “Como minhas redes de funcionários e outras atividades de diversidade e inclusão são lideradas por uma estratégia geral de diversidade e inclusão?” Um comitê diretor de D&I atua como o principal defensor da organização para todas as coisas de D&I, com o objetivo de garantir que todas as iniciativas de D&I sejam bem-sucedidas. Este comitê requer um grupo diversificado de membros do comitê, bem como a participação de vários departamentos da empresa. O comitê de Diversidade e Inclusão auxilia nos seguintes aspectos das redes de funcionários: conscientizar e educar os funcionários sobre as redes de funcionários, fornecer assistência estratégica e compartilhar pesquisas e melhores práticas do setor. À medida que você desenvolve e expande suas redes de funcionários, lembre-se de priorizar o desenvolvimento de conversas e iniciativas ponderadas sobre diversidade e inclusão (D&I) no local de trabalho.

Desenvolver uma sensação de segurança psicológica.

É fundamental que o local de trabalho seja um ambiente seguro para todos os funcionários. Criar uma cultura na qual os funcionários se sintam capacitados para chamar a atenção para situações perturbadoras, ou mesmo desagradáveis, é essencial. Ambientes de trabalho que promovem segurança psicológica e confiança estimulam os funcionários a se expressarem.

Coleta de feedback dos funcionários

As ferramentas de feedback dos funcionários, como pesquisas e plataformas de feedback contínuo, fornecem uma linha direta de comunicação entre a administração e os funcionários. Obter feedback honesto com frequência e em tempo real permite que você faça correções de curso se algo der errado com seu projeto. Se você ainda não o fez, considere usar pesquisas de pulso para capturar o feedback de seus funcionários regularmente e avaliar seu nível de engajamento. Os empregadores devem fazer perguntas específicas sobre diversidade e inclusão para obter suas opiniões sobre como criar um local de trabalho mais inclusivo. Esteja preparado para agir de acordo com as sugestões – isso é crucial se você quiser que sua equipe continue enviando feedback no futuro. Demonstre a eles que suas opiniões são valorizadas.

Incorporar diversidade e inclusão em todas as práticas de contratação e além.

A diversidade deve ser incluída em todos os aspectos do seu processo de emprego. Comece reunindo um amplo painel de entrevistadores que escolherão os candidatos com base em seus talentos e experiência anterior. Informe seus gerentes de contratação sobre preconceitos inconscientes e quais perguntas podem ou não ser feitas durante uma entrevista, como perguntas sobre a vida pessoal ou crenças religiosas de um candidato. Isso vale para todos os funcionários também. Em uma reunião ou sessão individual com um colega, todos os funcionários devem ser sinceros e cientes de qualquer preconceito que possam trazer consigo.

Ofereça oportunidades agradáveis ​​para que todos os funcionários se conectem e se sintam envolvidos. Em um exemplo, bate-papos virtuais de café são iniciados e facilitam a reunião e a discussão de qualquer tópico de interesse entre dois funcionários conectados aleatoriamente. Isso permite que funcionários de vários lugares e divisões se conheçam e formem conexões significativas. No final, isso resultará em um melhor trabalho em equipe e um sentimento de pertencimento entre os participantes.

Manter um registro das melhores práticas e políticas

As políticas e práticas de uma corporação devem estar sempre disponíveis para todos os funcionários, sem exceção. Atualizações regulares do código de conduta de uma empresa devem ser feitas para garantir que ele permaneça atualizado com a abordagem da empresa em relação à diversidade e não discriminação. Faça da não discriminação uma parte de seu programa anual de treinamento de funcionários para reforçar a relevância dessa questão para a organização como um todo. Outras políticas devem incluir resumos claros e concisos das posições da empresa sobre remuneração e benefícios, bem como termos de emprego e demissão.

Colha os benefícios de um local de trabalho diversificado e inclusivo.

O D&I não é apenas um passo no caminho certo moralmente, mas também é uma decisão sábia do aspecto de recrutamento e crescimento corporativo. De acordo com os funcionários, até 57% acreditam que suas empresas devem aumentar a diversidade entre sua força de trabalho interna. Um crescente corpo de evidências também sugere que as organizações que mantêm seus valores e compromisso com os funcionários durante tempos econômicos difíceis são as que sobreviverão e prosperarão a longo prazo.

As empresas podem utilizar uma variedade de tecnologias para apoiar suas metas de diversidade e inclusão nos dias de hoje. Uma ótima plataforma, por outro lado, aborda a diversidade e a inclusão de várias perspectivas: apoia seus grupos de recursos de funcionários (ERGs), reconhece funcionários que trabalham em iniciativas de D&I, oferece reconhecimento público e inclusivo e até incorpora valores específicos relacionados a diversidade e inclusão em seu programa. Além disso, a plataforma deve permitir que os funcionários se sintam ouvidos e que os gestores coletem e atuem sobre o feedback, principalmente nas áreas de diversidade e inclusão. A Eduvem supera as expectativas em todos os níveis.

A Eduvem se dedica a promover um sentimento de pertencimento entre seus funcionários. Nossa plataforma é uma excelente opção para organizações que desejam melhorar a eficácia de suas iniciativas de diversidade e inclusão.

Scroll to top