Lei e jurisdição no Metaverso estão sendo conduzidas

No contexto do Metaverso, que significado têm as fronteiras geográficas “convencionais” por lei e jurisdição? Quais leis devem reger os negócios entre as partes multinacionais quando se trata de ativos intangíveis que são registrados apenas em livros contábeis globais descentralizados e não regulamentados?

Lei e jurisdição no Metaverso estão sendo conduzidas

A Comissão de Direito da Inglaterra e do País de Gales está agora realizando um estudo da lei aplicável no contexto do desenvolvimento de tecnologias, especificamente no que diz respeito a ativos digitais (como NFTs e criptomoedas) e documentos comerciais eletrônicos. Essa análise tem uma relação direta com as transações comerciais e a propriedade de ativos no Metaverso (porque as criptomoedas são usadas para comprar bens e serviços, e as NFTs são compradas e vendidas e usadas para registrar a propriedade de ativos digitais).

Em um mundo onde as tecnologias digitais estão sempre se desenvolvendo e crescendo, muitas das quais dependem da tecnologia blockchain, as dificuldades de conflitos de lei surgem com frequência e questões críticas permanecem abertas e sem solução.

Em particular, os problemas de saber qual tribunal (e em qual jurisdição) é o foro apropriado para ouvir a disputa e (ii) quais leis se aplicam estão no centro dos conflitos que usam essas tecnologias digitais.

Desde a natureza descentralizada do blockchain, o que significa que não há governança central (pelo menos por enquanto), e porque os usuários em mundos virtuais (como o Metaverse, por exemplo) são frequentemente anônimos e os dados são criptografados, esses problemas têm surgido. A localização geográfica das partes não precisa ser divulgada, nem é necessariamente importante para a conclusão da transação. Como resultado disso, é extremamente desafiador conectar certas ocorrências ou ativos a um corpo específico de leis ou sistema legal. Isso pode ser diferente em situações em que as partes de um contrato concordaram com as leis e a jurisdição que serão aplicáveis, mas o que acontece se não o fizerem?

Por exemplo, se um usuário do metaverso Sandbox localizado no Reino Unido (Reino Unido) entrar em uma transação usando tokens SAND para adquirir um terreno de um usuário localizado fora do Reino Unido (fora do Reino Unido) e uma disputa posterior surgir em relação a essa transação, os tribunais do Reino Unido devem ter jurisdição sobre o litígio? Deve ser este o caso, de acordo com que lei eles devem agir? Isso não é totalmente óbvio porque as partes não chegaram a um acordo separado sobre o assunto.

Como parte de um novo projeto em andamento pela Comissão de Direito e devidamente intitulado “Ativos digitais: qual lei, qual tribunal?”, essas questões serão investigadas com a intenção de oferecer alguma orientação sobre o atual estado de insegurança jurídica e desenvolver reformas propostas. A meio de 2023 é quando o documento de consulta da Comissão de Direito será disponibilizado para consumo público.

A Law Commission vem realizando uma série de avaliações envolvendo tecnologias emergentes, incluindo revisões relacionadas a contratos inteligentes, e essa iniciativa é a mais recente nessa linha de trabalho (onde foi emitida a orientação de que o atual arcabouço legal na Inglaterra e País de Gales é capaz de facilitar e apoiar o uso de contratos legais inteligentes, sem a necessidade de reforma da lei estatutária). Esses são alguns dos tópicos importantes sobre lei e jurisdição no metaverso, continue ligado!

Agende uma demonstração agora mesmo!

Scroll to top