Qual o significado do Metaverso para a indústria de eventos?

Foi recebido com pouca controvérsia quando o Facebook se relançou como Meta em outubro de 2021 para representar sua concentração no metaverso. A mudança pretendia simbolizar a mudança do Facebook em direção ao metaverso. Apesar disso, não há dúvida de que o investimento no metaverso aumentará dramaticamente ao longo dos próximos anos; de fato, a Bloomberg estima que seu valor chegará a US$ 800 milhões até o ano de 2024. A indústria de eventos corporativos é um dos setores em que se prevê que o metaverso terá um impacto especialmente significativo.

Qual o significado do Metaverso para a indústria de eventos?

O que é essa coisa de “Metaverso”?

Um ambiente 3D persistente e imersivo que faz uso substancial de tecnologias novas e emergentes, como realidade virtual e aumentada, é chamado de metaverso. Em sua forma mais básica, o termo “metaverso” descreve o ambiente. Pretende transportar os utilizadores para além dos limites do ecrã e para vários mundos virtuais.

Ao contrário do que a maioria das pessoas acredita, o Meta de Mark Zuckerberg não é o único jogador no metaverso, nem foi o primeiro. Pelo contrário, foi o segundo. A ideia já foi posta em prática há quase vinte anos, com o Second Life da Linden Lab servindo como um dos primeiros exemplos de uma plataforma multimídia online.

Outra falácia generalizada em relação ao metaverso é a ideia de que ele foi criado em grande parte com o objetivo de fornecer jogos imersivos e outras formas de entretenimento. Apesar de fazer uso de um número significativo das mesmas tecnologias empregadas na indústria de jogos, o metaverso é significativamente mais avançado. Em particular, tem o potencial de trazer reuniões híbridas e virtuais, bem como reuniões, para um nível totalmente novo de imersão.

Como se navega pelo Metaverso?

O metaverso pode se manifestar de várias maneiras. Algumas das plataformas mais antigas, como Second Life, acontecem puramente na tela e não incorporam nenhum elemento de realidade virtual. O Second Life também tem sido usado para reuniões de negócios virtuais, e algumas das empresas mais conhecidas do mundo até compraram imóveis virtuais na plataforma.

Para produzir uma experiência muito mais imersiva, ideias modernas como Meta, que está passando por pesquisas significativas no momento, combinam elementos de realidade virtual, realidade aumentada e realidade física. Isso começa com a criação de um avatar, que é a representação de uma pessoa no ambiente virtual. Depois disso, o indivíduo poderá participar de todas as atividades disponíveis no mundo virtual.

Exemplos do metaverso em outros domínios

Existem vários aplicativos para o metaverso que não têm nada a ver com jogos. Um participante, por exemplo, poderia utilizá-lo para passar tempo com amigos à distância, fazer compras em lojas virtuais ou participar de eventos virtuais. O metaverso tem o potencial de ajudar a preencher a lacuna entre o mundo real e o mundo virtual, o que é benéfico para eventos e reuniões de negócios. Isso adicionará um grau totalmente novo de consistência e imersão ao formato de eventos híbridos que está se tornando cada vez mais popular na sociedade atual.

Outra versão do metaverso que está ganhando força é chamada Decentraland. Essa plataforma permite que indivíduos e empresas vendam imóveis virtuais para criptomoedas como bitcoin e ethereum. A necessidade cada vez maior desses tipos de plataformas levou muitas empresas com visão de futuro a fazer investimentos em propriedades digitais para ampliar sua base de clientes e até estabelecer configurações de escritórios virtuais. Isso tem repercussões significativas para reuniões de negócios e outros eventos, principalmente nos locais de trabalho distribuídos que prevalecem na sociedade atual.

Que tipo de efeitos o Metaverso terá na indústria de eventos?

O fato de o metaverso fornecer um espaço infinito para o desenvolvimento de novas ideias é provavelmente o impacto mais significativo que ele tem para a indústria de eventos. Por outro lado, um local de trabalho ou sala de conferência pode acomodar apenas uma quantidade limitada de monitores, e cada monitor pode exibir apenas uma quantidade específica de fluxos de vídeo ao mesmo tempo. Quando se trata do metaverso, o número de pessoas que podem participar ativamente não é limitado de forma alguma.

Devido à natureza muito imersiva e escalável do metaverso, é possível usá-lo como local para eventos de praticamente qualquer tamanho, incluindo grandes feiras comerciais e outros eventos semelhantes. Por exemplo, uma empresa pode participar de um grande evento virtual criando um estande virtual que os visitantes podem abordar no mundo virtual de uma maneira comparável a como fariam em um evento real.

O afastamento que vem com o trabalho à distância pode ser mitigado pelo uso do metaverso para eventos em menor escala, como reuniões de negócios e conferências. Isso tem o potencial de melhorar o envolvimento dos funcionários e a cultura geral da empresa de uma maneira que as reuniões virtuais usando softwares como Zoom ou Microsoft Teams simplesmente não podem.

A componente de participação é outra faceta que não deve ser descurada. A ideia de gamificação, que vem se popularizando cada vez mais nos últimos anos como técnica para atrair a atenção de clientes, funcionários e, no caso de eventos, participantes, é significativamente ampliada pelo metaverso. Isso leva a locais de trabalho mais dinâmicos e vinculados, bem como indivíduos mais capazes de se expressar criativamente e com mais oportunidades de autoexpressão. Afinal, o metaverso oferece aos jogadores um número quase ilimitado de opções para personalizar suas identidades virtuais através do uso de avatares que podem ser modificados. Ele também apresenta uma maneira inteligente e divertida de se comunicar com os clientes, o que é importante tanto para o metaverso quanto para o marketing. Depois de tudo dito e feito, o metaverso é uma melhoria significativa em relação às ocorrências virtuais e híbridas às quais todos estamos acostumados por causa da epidemia.

A influência nos eventos híbridos é especialmente significativa porque o metaverso ajuda a reduzir a lacuna que existe entre quem assiste presencialmente e quem assiste eletronicamente. Em qualquer um dos cenários, o público tem a oportunidade de participar de um evento igualmente interessante e de alto padrão.

Quais são alguns dos problemas associados ao uso do Metaverse?

Pelo menos na forma que Mark Zuckerberg, o fundador da Meta, imaginou, o metaverso ainda está em seus estágios iniciais. Além disso, há preocupações consideráveis ​​em relação a questões de privacidade e uma variedade de outros motivos. Além disso, precisamos levar em consideração o fato de que uma quantidade significativa de comunicação é transmitida através da linguagem corporal, seja a comunicação feita intencionalmente ou inconscientemente. Pelo menos por enquanto, isso certamente se perderá em um mundo virtual.

Não há dúvida de que o metaverso tem a capacidade de abalar significativamente a indústria de eventos, apesar de já ter e poder ter no futuro uma série de desvantagens. No entanto, em vez de vê-lo como um método para interromper e refazer fundamentalmente o ambiente de eventos como existe hoje, uma abordagem mais construtiva seria entender como ele pode complementar as formas de eventos híbridos existentes. Esta seria uma estratégia com maior probabilidade de resultar em resultados positivos. A coisa mais importante a ter em mente é que os encontros cara a cara são essenciais para o processo de desenvolvimento da confiança. No entanto, apesar do envolvimento físico ser sempre insubstituível, nem sempre é possível. Em circunstâncias como essas, o metaverso pode muito bem acabar sendo a alternativa mais adequada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Scroll to top