Eduvem

Retenção de talentos: existe um código para funcionários felizes?

Retenção de talentos: existe um segredo para manter os funcionários felizes? Mas esta visão superficial é simplesmente um reflexo do debate “hamletiano” que irrompeu nos últimos anos: seremos substituídos por IAs e quando? Depende de você querer ou não.

Mas, como gestores de pessoas, não precisamos de fantasia para revelar a verdade. O talento é essencial para o sucesso de qualquer negócio e será, sem dúvida, o fator decisivo na batalha pela quota de mercado em mercados cada vez mais competitivos onde é possível adquirir tecnologia. O talento criou até recursos de inteligência artificial.

As novas gerações e a sua nova perspectiva sobre o mundo estão no centro do actual crescimento das empresas, mas têm objectivos e prioridades que são muito diferentes daqueles das gerações anteriores que construíram as empresas. Buscam crescimento rápido, diversão, equilíbrio saudável entre vida pessoal e profissional e alto grau de flexibilidade.

São autossuficientes e têm pouca vontade de mudar, e o nosso desafio é atrair e reter jovens talentos, apelidados de “alto potencial”. O problema da rotatividade gira em torno da mesa dos gestores de RH e não é novo.

Estudo realizado com líderes de RH em 2021 mostra que a escassez de profissionais é motivo de preocupação. Em maio, 16% relataram perdas significativas de volume de negócios nos seus negócios; 57% relataram perdas menores; e 27% não relataram nenhum. Em junho, 26% dos entrevistados relataram ter visto fortes indicadores de rotatividade, em comparação com apenas 18% que não o fizeram. Em julho, o número de pessoas que perceberam fortes sinais de rotatividade aumentou para 34%.

Integramos uma geração que busca significado em seu trabalho, crescimento e flexibilidade, e também analisamos o comportamento do próprio empregador em relações como meio ambiente, comércio justo e responsabilidade social.

Acredito que o maior desafio das empresas é criar um ambiente vivo e em mudança, dando voz a esta nova geração, proporcionando mobilidade e causa constante nas suas carreiras, criando assim um ambiente desafiante e de aprendizagem.

Hoje definir um “plano de carreira” não é apenas retorno financeiro, remunerar não é tudo para os jovens talentos, mesmo que trabalhem competitivos, planos de promoção, remunerações variáveis e benefícios diferenciados sejam parte fundamental do pacote de atração/retenção. Porém, a cultura flexível é extremamente importante hoje e se divide em duas categorias: trabalho flexível e vantagens flexíveis.

No Atuaço Flexvel devemos incluir a necessidade de as empresas estabelecerem modelos de gestão e de ambiente menos rígidos, afastando-se do modelo tradicional de estruturas hierárquicas na tomada de decisões e definição de funções.

A Eduvem é a melhor plataforma para construção de Universidades Corporativas com uma experiência inovadora em aprendizagem e eventos digitais, somos uma excelente opção para instituições educacionais, empresas e instrutores independentes. Agende uma demonstração preenchendo o formulário abaixo:

É necessária a implementação de processos mais dinâmicos, com cultura de inovação e aceitação do erro, permitindo uma colaboração eficaz e posicionando os colaboradores como líderes na procura de soluções para os problemas organizacionais.

Em relação às Vantagens Flexíveis, vale destacar todos os itens que a empresa pode oferecer, no âmbito de sua política de remuneração e gestão de pessoas, para atrair os colaboradores mais talentosos. Um deles é o modelo home office ou híbrido, e inúmeros estudos e pesquisas têm mostrado o quanto ele é importante na atração e retenção de talentos.

Além disso, estão disponíveis benefícios flexíveis, como horários de trabalho flexíveis, bônus flexíveis (os colegas de trabalho podem optar por recebê-los trimestralmente ou anualmente, por exemplo), benefícios familiares estendidos, planos de saúde, treinamento adicional e muitas outras opções. Evitar a rotatividade não é uma tarefa fácil, mas felizmente existem métodos eficientes disponíveis para utilização pela equipe Gente & Gesto.

De acordo com a Pesquisa Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), o Brasil tem a maior taxa de rotatividade do mundo. O país aumentou o seu volume de negócios em 56% em 2022, ultrapassando países europeus como o Reino Unido (43%), França (51%) e Bélgica (45%). Ou, em outras palavras, é hora de reorganizar os mangás e investigar as estratégias que poderiam ser implementadas na realidade da sua empresa.

Os espaços corporativos não precisam ser apenas voltados para o trabalho. De modo geral, há consenso de que esses locais devem servir como pólo de interação social, de desenvolvimento de redes sociais, de troca de informações e de geração de conhecimento em favor da empresa.

Alguns especialistas referem-se a isto como a “Era da Experiência do Colaborador” e, como parte desta agenda, as empresas devem conhecer mais os seus colaboradores para personificarem modelos de desenvolvimento profissional, remuneração e benefícios.

Reter talentos dentro de uma organização é fundamental para a sobrevivência a longo prazo e deve ser visto como uma tarefa estratégica, e não apenas um “programa de RH”, e citar Hamlet aqui não é mais apropriado; é ser e estar, criativo e flexível!

Scroll to top