Eduvem

metaverso desafios

Benefícios de hospedar eventos corporativos no Metaverso

Com a tecnologia evoluindo a um ritmo tão alucinante, pode ser difícil acompanhar – mas uma coisa é certa: a era Web3 chegou e está prestes a revolucionar a forma como os nossos clientes interagem com o seu público. O metaverso, que frequentemente emprega tecnologias Web3, permite conexões que transcendem as fronteiras geográficas, ao mesmo tempo que proporciona experiências imersivas e incomparáveis, como eventos corporativos inesquecíveis.

Continue Reading

Rápida evolução do metaverso gera desafios

De acordo com Kavya Pearlman, presidente e CEO da XRSI, o foco está na segurança cibernética, privacidade e segurança. Aparceria entre a XRSI e a APDC – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações visa enfrentar “os desafios do metaverso em rápida evolução”, diz, em entrevista à Lusa, a fundadora e presidente executiva da fundação, Kavya Pearlman, que elenca ainda cinco estratégias paraPortugal.

Rápida evolução do metaverso gera desafios

A X Reality Safety Intelligence (XRSI) é uma organização global com sede em San Francisco, Califórnia, e Torino, Itália, dedicada a fornecer inteligência vital e serviços de consultoria para a proteção e bem-estar dos ecossistemas de tecnologia emergentes.

“Uma colaboração entre XRSI e APDC foi formada para enfrentar os desafios do metaverso em rápida evolução, com foco em questões como segurança cibernética, segurança e privacidade”, disse Kavya Pearlman.

Incentivando as organizações a abordar “essas questões com responsabilidade, esperamos promover uma cultura de uso seguro e ético da Internet”, diz ele.

O metaverso é um universo virtual de evolução exponencial que tenta replicar a realidade utilizando tecnologias como realidade virtual e realidade aumentada, e no qual é possível criar um avatar, conversar com outras pessoas, jogar, fazer compras, entre outras coisas.

Kavya Pearlman, que esteve presente na mais recente reunião da APDC, realça que esta colaboração é “orientada para a promoção de um futuro seguro, inclusivo e democrático” e visa os direitos humanos, “com o objetivo de impactar positivamente a saúde socioeconómica regional e moldar políticas decisões sobre segurança em XR, IA [inteligência artificial], computação espacial e outras tecnologias emergentes.”

O objetivo da estratégia colaborativa é compartilhar recursos educacionais, organizar eventos, desenvolver programas de treinamento e auxiliar as organizações na realização de atividades empresariais éticas e responsáveis no longo prazo, diz.

No essencial, “a parceria XRSI-APDC é um apelo à ação dos profissionais dos media, tecnologias de informação e telecomunicações para que unam esforços na criação de um ciberespaço mais seguro e positivo”, refere o sublinhado.

Questionada sobre como é que Portugal pode promover a privacidade e a segurança na tecnologia, Kavya Pearlman diz que “promover a privacidade e a segurança na tecnologia é um desafio multifacetado que carece de uma abordagem abrangente”, e sugere algumas estratégias que o país deve ponderar.

Legislação e regulamentação estão entre eles: “Portugal, como membro da UE, já é regido pelo RGPD para proteção de dados e privacidade; no entanto, o país pode desenvolver regulamentos locais adicionais para atender a necessidades específicas ou áreas não cobertas pela legislação da UE, ” diz.

Esses regulamentos “podem definir padrões de privacidade e segurança no desenvolvimento e uso da tecnologia, bem como fornecer mecanismos para aplicação e remediação em caso de violações”, enfatiza o guardião cibernético.

Outra estratégia são as parcerias público-privadas.

“Portugal pode promover colaborações entre o governo, a indústria e a academia para promover a investigação e inovação em tecnologias seguras e de protecção da privacidade.” Essas colaborações podem levar ao desenvolvimento de tecnologias nacionais que priorizem desde o início a privacidade e a segurança do usuário, atendendo às necessidades específicas do mercado profissional em que atuam.”

Na sequência, defende a necessidade de “aumentar a consciência pública para a importância da privacidade e segurança em geral, bem como dentro das organizações”.

Isso pode ser alcançado por meio de eventos dedicados, programas de treinamento e educação, “workshops” e campanhas que aumentam a conscientização sobre a importância da privacidade e da segurança, incentivando melhores práticas e impulsionando a busca por tecnologias mais seguras.

Outra estratégia sugerida por Kavya Pearlman para Portugal é fornecer incentivos para práticas seguras, que o governo pode conceder “a empresas que demonstrem um forte compromisso com a privacidade e a segurança”.

Esses incentivos, enfatiza, “podem assumir a forma de incentivos fiscais, subsídios ou programas de reconhecimento”.

Por fim, a infraestrutura de cibersegurança: “Portugal deve investir em infraestruturas de cibersegurança robustas para proteger contra ameaças de segurança, incluindo as resultantes da utilização de tecnologias relacionadas com o Metaverso”.

De acordo com Kavya Pearlman, “isso inclui estabelecer agências dedicadas à segurança cibernética, investir em tecnologias de ponto de defesa cibernética e criar uma força de trabalho qualificada capaz de se defender contra ataques cibernéticos sofisticados que usam essas tecnologias”.

Em resultado da implementação destas cinco estratégias, “Portugal pode criar um ambiente em que a privacidade e a segurança são prioritárias no desenvolvimento e utilização tecnológica. Na verdade, o XRSI espera ajudar a fornecer a orientação e o conhecimento necessários aqui”, finaliza.

Scroll to top