Startup

Eduvem é uma das startups selecionadas para a fase final do processo de aceleração da BS Innovation Hub

BS Innovation Hub: confira as startups selecionadas para a fase final do processo de aceleração
Apenas 24 equipes foram classificadas para a última fase.

Iniciativa apoiada pelo Grupo Cidade de Comunicação (GCC), o processo de aceleração de startups da BS Innovation Hub recebeu mais de 50 inscrições. Contudo, apenas 24 equipes foram classificadas para a última fase. Composta pelas empresas Gomes de Matos Consultoria, Cordel Ventures e BSPAR, a BS Innovation Hub inaugura uma nova etapa de inovação e criação de novos negócios no mercado cearense.

A última fase do processo seletivo está marcada para a próxima terça-feira (20) e consistirá em apresentações orais. Cada CEO das startups selecionadas terá cinco minutos para defender a sua ideia de negócio diante da bancada formada por membros da BS Innovation Hub e por mentores convidados. O Grupo Cidade, um dos mantenedores dessa ação, também participará da escolha dos finalistas.

Confira as startups selecionadas
1. ALS ENGENHARIA
2. AUDO
3. BIIO
4. COBI
5. DABELE CURSOS
6. DRONDONES
7. EDUKON
8. EDUVEM
9. IBETTING APP
10. INVISTA TECH
11. KINBOX
12. OMNIDECISION
13. PEGUELEVE
14. PETPETPET
15. PLIX
16. QUIZ ORTOPEDIA
17. SELLETIVA
18. SIMBORA
19. SIMPLES XR
20. SPX PAY
21. TOCK TECNOLOGIA
22. UP BUSINESS GAME
23. VELOO
24. VENDEI

BS Innovation Hub e Grupo Cidade

De acordo com Edson Ferreira, diretor geral do GCC, a parceria insere o maior conglomerado de mídia cearense “em um outro patamar como grupo de mídia multistreaming, potencializando as nossas possibilidades e sedimentando nossos investimentos. Fomentar o ecossistema de inovação no Ceará coloca o Grupo Cidade em uma posição de vanguarda, liderando o processo que certamente será um case em todo o País”.

Miguel Dias Filho, presidente do GCC, comemora a parceria. “O Grupo Cidade é uma empresa promissora, aberta à tecnologia e disposta a acompanhar as transformações da sociedade. Nossa parceria com o BS Innovation confirma a ousadia que nos mantém firmes há 43 anos. É uma forma de buscarmos efetivar a nossa vertente tecnológica, através da qual potencializamos a nossa produção de conteúdo para a televisão, as rádios e o nosso portal de notícias. É assim que nos preparamos para o futuro”, finaliza.

Fonte: https://gcmais.com.br/

Não digitalize, transforme digitalmente!

A buzzword do momento com certeza é transformação digital. Está na pauta de presidentes, diretores de marketing, tecnologia, áreas de negócio, etc. Em algumas empresas, a função de CDO (Chief Digital Officer) tem sido criada para conduzir jornadas de transformação digital. E tudo isto na minha visão não é modismo. É necessidade. Quem não reinventar seus negócios a luz do que estamos vivendo, será fatalmente engolido por concorrentes que estão se reinventado. Ou por startup´s, que por sua vez estão reinventados nossos negócios. Que loucura.

Nesta onda de transformação, uma diferença semântica de palavras em inglês me chamou bastante atenção. Em inglês, existem duas palavras, absolutamente distintas, que tratam o tema: digitization e digitalization. Ambas em português foram traduzidas como digitalização.

Digitization é o ato de tornar o analógico em digital, em um DE/PARA ipsis litteris. Sem tratamento, sem transformação, pega-se o que feito de forma analógica e copia-se para sua forma digital. Vamos chama-lo aqui de Digitalização.

Digitalization, por sua vez, vai além de simplesmente transformar o análogo em digital. Aqui o intuito é utilizar o melhor das tecnologias digitais (mobile, cloud, big data, social media, etc) para transformar o que já existe em algo mais prático, mais inteligente, mais eficaz, que proporcione uma melhor experiência de uso. Chamá-lo-emos de Transformação Digital.

E por que as empresas tanto buscam a digitalização ou a transformação digital? Os motivos são muitos, e variam de empresa a empresa, mas os pilares usualmente são: tornar escalável, em grandes e rápidas proporções; executar rápido, com eficácia e agilidade; melhorar a experiência de uso, buscando tornar os usuários os promotores do produto ou serviço.

Assim tem acontecido com a educação. Ninguém tem mais dúvida da imprescindibilidade de ferramentas digitais para a sobrevivência e prosperidade de empresas e organizações que atuam no segmento educacional. O Coursera (plataforma online de cursos gratuitos) tem mais de 15 milhões de alunos, o que o torna a maior instituição de ensino do mundo. PS: o Coursera tem 120 funcionários.

O problema, na minha visão, é que as empresas e organizações estão digitalizando mais do que transformando. Mais, estão abusando da digitalização. Pegar uma aula presencial, com todas suas nuances e seu charme natural, gravá-la e distribui-la pela internet está longe do que podemos fazer com tudo que temos hoje. E é o que mais tem ocorrido. A experiência, o aprendizado, sofre muito com este modelo escalável, porém pouco efetivo do ponto de vista de quem usufrui do produto/serviço.

O caminho é de fato pensar na transformação digital do ensino, do conteúdo, para que se tenha uma experiência de aprendizado satisfatória de forma escalável, infinita. É massificar a personalização. É criar formas atraentes, interativas, agradáveis, e obviamente escaláveis, para se propagar mensagens que serão entendidas e absorvidas.

E para isto não temos respostas ou formulas prontas. A equação é única para cada desafio. O importante é termos um conhecimento que valha a pena ser escalado de um lado, e ferramentas digitais que permitirão sua escala de forma agradável de outra. Junta-se os dois, define-se a melhor equação, e voilá, teremos uma plataforma de propagação de conhecimento útil, palatável, atraente e que desperte nas pessoas que a consomem o desejo de mais, e mais, e mais. O ser humano parece ter necessidades por vícios. Vamos tornar o conhecimento algo viciante. Antes de nos perguntarmos se o projeto de transformação digital é bom, é escalável, devemos nos perguntar: é viciante?

Scroll to top
×

WhatsApp Chat

× Ajuda?